Rua Minas Gerais, 2061 - Edifício Day Saúde – Sala 501 - Cascavel - PR

Você sabe o que é Apneia obstrutiva do sono?



A apneia obstrutiva do sono, também chamada de SAOS, é um problema que acomete de 33 a 35% da população brasileira. Tem maior prevalência em adulto, sendo que mais de 90% dos portadores desta não sabem que a tem.

É uma doença em que a pessoa para de respirar várias vezes durante o sono devido às vias aéreas ficarem obstruídas, dificultando a passagem de ar. Com essas paradas respiratórias, acontecem microdespertares durante a noite, não deixando o doente chegar ao sono profundo, sendo que ele acorda sempre cansado, apesar das horas dormidas. A apneia do sono leva a problemas graves de saúde, como uma incidência alta do paciente desenvolver AVC (acidente vásculo-cerebral), Infarto do coração, e pressão alta.

Os sintomas são:

·       Ronco alto – ronco que chega a acordar pessoas, ou escutado de outro cômodo

·       Ronco irregular, devido às paradas respiratórias

·       Engasgos durante o sono

·       Sonolência e cansaço durante o dia

·       Acordar sempre cansado, apesar de horas dormindo

·       Acordar com a sensação de estar sufocado

·       Dificuldade de concentração durante o dia

·       Diminuição do libido

·       Depressão

·       Sono agitado

·       Perda de produtividade no trabalho

·       Dificuldade de aprendizado

·       Problemas de memória

·       Hipertensão

Quaisquer  fatores que levem a uma diminuição do espaço aéreo podem ser a causa da apneia. Por exemplo:

·       Obesidade – Quando uma pessoa engorda, os tecidos moles da garganta ganham em volume, principalmente a língua. Isso faz com que reduza o diâmetro da faringe, aumentando a chance de ocorrer apneia. O aumento da circunferência do pescoço é um sinal comum.

·       Retrognatismo mandibular (queixo para trás) – Pessoas que tem o queixo para trás, tem a língua empurrada para trás também, levando a maior chance de ter apneia.

·       Problemas nasais – principalmente crianças que tem desvio de septo, cornetos, adenóide e amídalas grandes, tem maior propensão a ter apneia.

·       Idade – Existe um maior risco de apneia em indivíduos com mais de 65 anos, devido aos tecidos ficarem mais flácidos

Como é feito o diagnóstico?

·       Pelos sintomas já se desconfia do problema, principalmente pela presença do ronco em 95% dos indivíduos que tem apneia. Mas o diagnóstico definitivo se dá por meio de um exame chamado Polissonografia, em que o paciente dorme em um laboratório, sendo medido o número de paradas respiratórias (Apneia) que ocorrem durante o sono. Um paciente que apresenta de 5 a 15 paradas respiratórias por hora de sono, tem apneia leve, de 15 a 30, moderada, e mais de 30 grave.

Qual o tratamento adequado para Apneia?

O melhor tratamento será indicado após um correto diagnóstico, e vai depender da gravidade. Dentre as soluções, existem:

·       Aparelho intra-oral – É um aparelho em que o ortodontista instala, e com ele a mandíbula fica para frente durante a noite, puxando a língua e todos os tecidos para frente, aumentando o espaço para a passagem do ar.

·       Aparelho de pressão positiva (CPAP) – É um aparelho prescrito por médicos em que joga um volume de ar alto nas vias aéreas, dificultando os eventos de apneia.

·       Expansão da maxila – É um procedimento feito por ortodontistas em que aumenta-se a largura óssea da maxila, aumentando a cavidade nasal, facilitando a passagem de ar. É muito eficaz em crianças, e quando a estrutura óssea da maxila é estreita.

·       Cirurgia de avanço bimaxilar (cirurgia ortognática) – É um procedimento feito por ortodontistas e cirurgiões, em que os ossos da maxila e da mandíbula são puxados cirurgicamente para frente, aumentando o volume das vias aéreas, facilitando a passagem do ar. Só é possível ser feito em adultos

Se você apresenta alguns dos sintomas acima, marque uma consulta que faremos um diagnóstico e apresentaremos a melhor solução para seu caso.